quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

História da ciência e tecnologia no México .


Este artigo discute a história da ciência e tecnologia no México. A Universidade Real e Pontifícia do México, fundada em 1551, era uma rede de desenvolvimento intelectual e religiosa no México durante um século. Durante o Iluminismo do México, México cresceu rapidamente na ciência, mas para a Independência do México não havia desenvolvimento científico no país. No final do século XIX no México começou o processo de industrialização, o que representou grandes avanços em ciência e tecnologia no século XX. Durante o século XX foram fundados novos institutos de pesquisa e universidades como a Universidade Nacional Autônoma do México. 




                                            Ciência no início do México 

Após a fundação do Vice-Reino da Nova Espanha, Espanha levou a cultura científica que prevaleceu na Espanha para a Nova Espanha. O governo municipal (conselho) da Cidade do México solicitou formalmente que a Coroa espanhola em 1539, a criação de uma universidade. A Universidade Real e Pontifícia do México abriu as suas portas em 1551. O administrado do clero, e foi a universidade oficial do império. Oferecido educação de qualidade à população, e foi uma rede de desenvolvimento intelectual e religiosa na região. Ela lecionou em cursos de física e matemática a partir de uma perspectiva aristotélica. O filósofo Agostinho Alonso Gutierrez speculatio Physica escreveu o primeiro artigo científico sobre o continente americano em 1557. Ao final do século XVIII, a universidade tinha treinado médicos 1,162, 29,882 e se formou na graduação dos advogados e muitos já obtiveram o seu diploma.


                                    Ciência durante o Iluminismo mexicano

Durante o Iluminismo do México, a ciência pode ser dividida em quatro períodos: o período inicial (1735-1767), o período Creole (1768-1788), o jornal oficial ou espanhol (1789-1803) eo período de síntese (de 1804 até o início do movimento de independência em 1810).


 Durante os séculos XVI e XVII, a ciência moderna se desenvolveu na Europa, mas estava muito atrás no México. Novas idéias científicas desenvolvidas na Europa não foram relevantes, no México. A expulsão dos jesuítas em 1767, que introduziu novas idéias no México, ajudou a hostilizar os indígenas, e também promoveu sentimentos nacionalistas entre os nativos. Após a expulsão dos jesuítas, autodidata criollos foram os primeiros cientistas no México. Mais tarde eles se juntaram por cientistas espanhóis, e realizou uma pesquisa, atividades de ensino, produzir publicações e textos traduzidos. As idéias de Francis Bacon e René Descartes livremente discutidas nos seminários, que causou a escolástica perder adeptos. Durante o Iluminismo, o México fez muitos avanços na ciência. Muitos avanços foram feitos sobre temas como astronomia, engenharia, etc. Em 1792 fundou a School of Mines. Mais tarde tornou-se a Escola de Minas, onde fundou o primeiro laboratório de física moderna no México.

Entre os cientistas mais famosos do período do Iluminismo mexicano, pode registar-se para José Antonio Alzate y Ramirez e Manuel Andres del Rio. Este último descobriu o vanádio em 1801.
Ciência após a Guerra da Independência

A Guerra da Independência pôr fim ao progresso científico no México. A Universidade Real e Pontifícia do México fechou suas portas em 1833. Havia, por muitos anos, nenhuma atividade científica no México. Esta instituição foi fechada definitivamente em 1865,

No final do século XIX no México começou o processo de industrialização. Sob a influência dos positivistas e pensadores científicos, o governo mexicano começou a oferecer educação pública. Em 1867 Gabino Barreda, que tinha sido aluno de filósofo francês Auguste Comte, foi responsável pela comissão que a reforma da educação. Assuntos como física, química e matemática foram incluídas no currículo das escolas secundárias. Fundou a Escola Nacional Preparatória. A influência dos positivistas gerado um renascimento das atividades científicas no país.

Como um exemplo de desenvolvimento tecnológico, podem-se mencionar que neste momento era o general Manuel Mondragón inventou o primeiro rifle automático chamado rifle Mondragón.




  Ciência e tecnologia no México durante o século XX e XXI

 Durante o século XX, o México tinha avanços significativos em ciência e tecnologia. Ele fundou novas universidades e institutos de pesquisa. A Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM) foi fundada oficialmente em 1910, e da universidade se tornou uma instituição de ensino superior mais importante na UNAM país oferece educação de qualidade em ciência, medicina e engenharia.  Muitos institutos de pesquisa e de novas instituições de ensino superior, como o Instituto Politécnico Nacional (IPN) (fundada em 1936),  foram fundadas durante a primeira metade do século XX. A maioria dos novos institutos de pesquisa foram criados dentro da UNAM. Entre 1929 e 1973, doze novos institutos foram criados dentro da "casa máximo de estudos" .
Em 8 de abril de 1943, o Presidente da República, General Manuel Avila Camacho, emitiu um decreto, por iniciativa do Secretário de Educação Pública do tempo, o Sr. Octavio Vejar Vázquez, um decreto que seria inaugurada exemplo, 15 maio do mesmo ano, o Colégio Nacional, uma instituição desde conheci muitos dos mais destacados na ciência, educação, arte e, em geral, a cultura do México.
Em 1959 ele fundou a Academia Mexicana de Ciências (AMC), uma entidade não-governamental, organização sem fins lucrativos formada por um grande grupo de cientistas de renome. A AMC tem crescido em participação e influência, e é uma das vozes mais representativas do mundo científico em muitas áreas, especialmente na política científicas.
Em 1960, a ciência já havia sido institucionalizada no México. Foi considerado legítimo produto do esforço de mexicanos.
Também em 1960, ele fundou a CINVESTAV (Centro de Pesquisa e Estudos Avançados, parte do Instituto Politécnico Nacional), concebido como um centro de estudos de pós-graduação em disciplinas como biologia, matemática e física. Em 1961, abriu suas NPI programas de estudo de pós-graduação em física e matemática, a ciência e as escolas foram criadas nos estados de Puebla, San Luis Potosi, Monterrey, Veracruz e Michoacan.


Em 1985, o mexicano Rodolfo Neri Vela engenheiro tornou-se, graças à missão da STS-61-B, o primeiro cidadão mexicano de viajar para o espaço exterior.

Em 1995, o químico mexicano Mario J. Molina dividiu o Prêmio Nobel de Química Paul J. com Crutzen e F. Sherwood Rowland, que foi premiado por seu trabalho em química atmosférica, particularmente sobre a formação e decomposição de ozono.  Molina UNAM pós-graduação, foi o primeiro mexicano a receber o Prêmio Nobel em uma disciplina científica.

O Grande Telescópio Milimétrico foi lançado no dia 22 de novembro de 2006. É o maior telescópio do mundo e sua faixa de freqüência, e construído para observar as ondas de rádio na faixa entre 0,85 e 4 milímetros. Localizado na ponta da Serra Negra, no estado de Puebla, é uma obra científica binacional: 70 por cento e 30 por cento do México americano.

Em 31 de julho de 2010 entrou em vigor a lei que cria a Agência Espacial Mexicana estabeleceram sua sede na Cidade do México .
 Internacional de Avaliação da qualidade das atividades científicas no México

 De acordo com a informação gerida pela Scopus, uma base de dados da literatura científica, o espanhol web portal SCImago colocado México, n º 28, uma lista internacional, considerando um total de 82,792 publicações, e também no n º 34, considerando-se sua pontuação de 134 no índice de h. Os cálculos de ambas as avaliações são para o período 1996-2007.

domingo, 15 de janeiro de 2012

História do Futebol Mexicano .

A Federación Mexicana de Fútbol foi fundada em 23 de agosto de 1927, e teve como primeiro presidente o Sr. Humberto Garza Ramos, ex jogador e diretor da equipe México CC. Desde então, é o organismo encarregado de promover, organizar, dirigir, difundir, e supervisar as competencias do futebol no México.

O futebol foi introduzido no México no final do século XIX com a chegada dos ingleses que trabalhavam na exploração de minérios. Para eles, o futebol representava o típico passatempo e eram funcionários da empresa Cia. Real de Monte de Pachuca, que formaram a primeira equipe de futebol em 1900. No entanto, três anos antes já se praticava o novo esporte pelos alunos da escola dos Irmãos Maristas e jesuítas.

O primeiro campeonato foi realizado em 1902 com as equipes do Orizaba Athletic Club, Pachuca AC e Reforma AC, as três formadas quase que inteiramente por britânicos. O campeão da temporada 1903-1904 foi o México e no ano seguinte o Pachuca.

Nos anos vinte do século passado, o futebol era praticado por estrangeiros. No entanto, havia apenas um clube composto por mexicanos: o América. Juan de Dios Bojórguez, o embaixador do México na Guatemala, convidou a equipe para alguns jogos no país no final de 1922, tornando-se o primeiro representante do futebol mexicano no estrangeiro.

A Seleção do México

O primeiro selecionado do futebol mexicano foi convocado em 1923 e a sua primeira participação em um evento internacional foi em 1928, nos Jogos Olímpicos de Amsterdam. O adversário era a Espanha, que acabou vencendo a seleção mexicana por 7 a 1.

A primeira partida em copas do mundo aconteceu na edição de 1930, no Uruguai. Seu adversário foi a França que venceu o México por 4 tentos a 1, em jogo realizado no estádio Pocitos, do CA Peñarol. No jogo seguinte, no Central Park (casa do Nacional de Montevidéu), contra o Chile, mais uma derrota, desta vez por 3 a 0. O último jogo foi no Estádio Centenário: México 3 x 6 Argentina.

Era profissional

A era do futebol profissional mexicano teve início em 1943, mas antes disso, nos anos trinta, houve uma Major League, que reuniu equipes de grande tradição no Distrito Federal: América, Astúrias, Atlante, Espanha, Marte e Necaxa e onde saíram grandes heróis nacionais.

Atualidade

Atualmente, a Federação Mexicana Futebol é formado por quatro divisões profissionais (Primeira Divisão, Primeira Divisão A, Segunda e Terceira Divisão) e pelo setor amador, cada uma das divisões com diferentes torneios.

sábado, 14 de janeiro de 2012

Trajes Típicos do México .


Os trajes tipicos de Mexico sao as famosas roupas de charro com o sombrero(chapeu), e para as mulheres sao os vestidos rodados geralmente em cores alegres, ou saias do mesmo estilo com blusas em corte em v com varias cores e desenhos,bordados, e geralmente sao feitas a mao. Ja os cabelos elas usam ou em um coque, ou de trancas.

As mulheres usam sapatos tipicos brancos, como se fosse uma sapatilha ou entao sandalias de saltinho baixo tb na cor branca. Ja os homens usam botas nas cores pretas ou marrom escuro.

 Vestido tradicional das mulheres mexicanas .

Nós já conversamos uma vez antes sobre o traje do mariachis e charros. Relação às mulheres, o vestido tradicional da área de Jalisco é um grande roupas de várias cores. No alto, blusa, mangas compridas, este adornado com fitas coloridas.
 Em geral, o vestido tradicional das mulheres no México, Jalisco é similar, embora com algumas variações, dependendo da região, o topo é branco, com enfeites e bordados de vários tipos, dependendo da região, e no fundo é uma saia que chega até os pés.

Isso não é visto nos trajes do México Cidade do capital, que têm uma raiz clara Aztec (lembre-se que uma vez que a cidade foi nada menos do que Tenochtitlan, capital do Império Asteca).

 Em algumas regiões, como Colima, capital de Jalisco, e Aguas Calientes, entre outros, combinar alguns motivos astecas com a moda trazida da Espanha.

Também de notar que cada vestido, ela acrescentou algo representativo da região. Por exemplo, em Colima, o terno que ele adornado com motivos de santo padroeiro do México, a Virgem de Guadalupe, o que não acontece no Oaxaca belo e harmonioso, onde o processo é uma combinação de moda européia, com as tradicionais os astecas.

Pontos Turísticos do México .

Pontos Turísticos do México

MÉXICO é um País com muita diversidade e ao mesmo tempo, em alguns aspectos, muito hegemônico.
São tantas as opções que para conhece-lo, certamente terão que reserva muito tempo de viagem.
Assim, procuraremos abordar selecionando alguns dos principais destinos turísticos, Culturais e outros com certa Tradição.
Sua Capital é a CIDADE DO MÉXICO ou como preferirem, MEXICO CITY DF está a 2.250 m acima do nível do mar.
Trata-se do Distrito Federal que por sua vez oferece um mundo de diversificações salpicado com narrações para evocar interessantes passagens na rica história Mexicana.
Admirar as construções é possível através dos passeios já programados nas ruas do centro histórico, começando pela Catedral Metropolitana, símbolo da colonização espanhola com seus cantos e arquitetura Barroca-Churriqueresca.
O Palácio Nacional com sua arquitetura tipicamente singular onde se apreciam os arabescos através dos quais "Diego Rivera" narro episódios da história Mexicana.
O Palácio dos Correios é um edifício com forro interior todo trabalhado na Itália e constitui um admirável trabalho artístico.
Neste lugar encontra-se o Museu Numismático onde a história é contada através das gravuras nas cédulas.
O Palácio das Belas Artes constitui um exemplo de arquitetura porfiriana.
Seguindo na calçada da reforma, não poderemos deixar de admirar o Anjo da Independência, o Monumento a Colombo e Diana Cazadora.
Quanto aos Museus, o Distrito Federal tem todos e para quaisquer idades, gostos ou necessidades.
No Bosque (Parque) de Chapultepec abrem-se as portas para: História, Geral, História Mexicana, Antropologia, Arte Moderna, Rufino Tamayo, Tecnológico da Comissão Federal de Eletricidade, História Natural e Papalote.
CHAPULTEPEC é o parque mais visitado da Cidade e conta ainda com um Zoológico, seção de Jogos Mecânicos e grandes extensões de áreas verdes ao longo das quais se distribuem muitos monumentos interessantes com belas fontes.
Muito embora os melhores hotéis estejam localizados no Centro Histórico, na zona ROSA, no PASEO DE LA REFORMA e nas imediações do Bosque de Chapulpec, existem outras possibilidades ao sul da cidade ou nos bairros residenciais mais centrais.
A hospedagem tem um toque da hospitalidade Mexicana combinada com a excelente infra-estrutura do primeiro mundo.
Na Cidade do México existem entretenimentos para todos os gostos e idades onde fazer compras é uma delas: Lá você encontra desde famosas marcas internacionais até roupas nacionais de excelente qualidade e preço.
Seus SHOPPING Centers estão entre os mais sofisticados do mundo.
Caso seu interesse seja pelo tradicional, a ida aos mercados populares é uma festa de cor e abundância, tudo com maior variedade e preços infinitamente menores que no Shopping.
Assim, recomendamos usar a Moeda Nacional (NOVO PESO MEXICANO) ou Cartões de Credito ainda que o DOLAR ESTADUNIDENSE seja bem aceito.
A gastronomia é farta e muito rica e sobretudo pode-se ficar sossegado com relação ao consumo de Água e Alimentos, eles poderão ser consumidos com segurança em qualquer restaurante ou hotel da cidade já que estão muito acostumados as exigências de higiene internacionais.
A vida noturna da Cidade do México é para todos, você encontra lugares para dançar e desfrutar todos os gêneros de Musica, atmosferas ideais para tomar um drinque, conversar, lugares para um bom BOLERO, o som "JAROCHO" (Do Estado de Veracruz) ou "HUASTECO" (De San Luis Potosí).
É claro que os famosíssimos e tradicionais " LOS MARIACHIS " e trios românticos.
Nos últimos anos a CIDADE DO MÉXICO se consolidou como um grande centro de interesses internacionais e por isso, dispões de excelente infra-estrutura de vanguarda e nela estão fixados os principais escritórios das grandes Corporações Mexicanas e Mundiais afinal, México City é a primeira ou segunda cidade mais populosa e extensa do Mundo.

CANCUN , Principal ponto turístico do momento tem em sus PRAIAS a principal e mais bela das atrações, abertas, naturais com um colorido insuperável e infra-estrutura turística reconhecida mundialmente.
Em CANCUN você só fica preso ao hotel se quiser e se resistir.
São SHOPPING (Plaza Caracol, Cancun Plaza e tantos outros), TEATRO Cancun recém inaugurado oferece diariamente apresentações com Dança Folclórica e Ritmos Musicais Caribenhos e Mexicanos.
Recomendamos um Passeio no TEATRO INTERATIVO "LOS GALEONES" onde uma Nau (Galeão) original parte da Marina e zarpa ao longo da costa de Cancun.
O espetáculo se desenvolve já na recepção para embarque onde todos os Marujos e tripulantes em geral estão vestidos a caráter, durante a navegação um dos marujos cai ao mar de cima do mastro principal e quando todos se aproximam admirados, são surpreendidos com tiros de canhões vindos de outro GALEÃO tentando abordar.
Todo este furduncio se desenvolve com você bem ao meio.
Após o espetáculo as Naus ancoram e servem um verdadeiro banquete como jantar, vale a pena.
Outro passeio é através do Submarino " NAUTIBUS " onde na verdade existe nele um profundo casco de vidro submerso e você fica extasiado com a beleza do que vê abaixo da linha d´agua.
Existe o passeio de um dia as maiores e mais famosas RUINAS MAIAS (CHICHEN ITZA) a mais ou menos 3 horas de CANCUN através de uma auto-pista.
Ou as RUINAS DE TULUN XEL-HA a mais ou menos 1 hora e 15 minutos de Cancun.
Outro passeio que você não pode deixar de fazer é visita ao Parque X-CARET, trata-se de um Parque Temático-Ecológico que oferece de tudo, desde diversão a gastronomia.
E pôr falar em comida recomendo jantar no LOS PERICOS, é um espetáculo a parte, enquanto você degusta eles vão fazendo mil brincadeiras com os clientes.
O almoço pode ser no LA PARRILLA onde um bom TACO pode ser saboreado mas, muito cuidado com o CHILI principalmente o havanero (Verde) é muito forte, experimente o Guacamole (Abacate que se come temperado e salgado como tempero).
Enfim, VIVA CANCUN com todas as suas forças, vale a pena! ACAPULCO , cujo significado no vocabulário quer dizer " Lugar aonde as Canas foram destruídas " constitui o centro turístico de maior fama Nacional e grande expressão Internacional e se adapta a todos os gostos pois, oferece uma grande variedade de PRAIAS e Diversões.
Fica localizado na costa Mexicana do Pacífico e dentro de uma baia, mais bela do mundo.
Para trocar as cores, basta um passeio pelas Praias Acapulquenhas, a começar pela CALETILLA, logo vem a CONDESA (Com fama internacional).
Um passeio sumamente conhecido e desfrutado pelos próprios Acapulquenhos é o LA QUEBRADA, ponto de onde se atiram famosos e CORAJOSOS mergulhadores de cima dos Penhascos a 32 metros de altura passando raspando pelas rochas em seu trajeto de descida.
ACAPULCO, sede de múltiplos eventos Artísticos e Culturais em nível internacional, possui um grande numero de bares, discotecas, restaurantes, espetáculos, centros noturnos e diversos passeios nos tradicionais IATES onde além de admirar a vista noturna da baia, também poderá bailar todo tipo de música.
A hospedagem é seu ponto forte, são hotéis de diversas matizes dentro das mais variadas categorias.
PUERTO VALLARTA , é um centro turístico com fácil acesso já que seu aeroporto (GUSTAVO DIAZ ORDAZ) encontra-se ao lado das principais estradas e avenidas.
PUERTO VALLARTA está localizada na zona central da baia de BANDERAS, no estado de Jalisco.
Originou-se de uma ilha de pescadores e a beleza de sus Praias, e as mais belas paisagens de Montanhas juntamente com a vegetação que a rodeia a torna um cartão postal.
Suas ruas mantém um ar romântico devido a nostalgia das calçadas empedradas, o colorido dos telhados vermelhos e o inconfundível sabor provinciano chamam poderosamente a atenção dos visitantes.
Com o decorrer dos anos foi transformando-se em um destino turístico com uma grande e moderna infra-estrutura hoteleira preparada para receber os visitantes nacionais e estrangeiros.
Entre suas belas Praias, sobressaem por sua tranqüilidade, serviços e beleza natural: PLAYA DEL SOL, onde se destaca a sua tradição de favorita dos PIRATAS a dois ou três séculos atrás, PLAYA LAS AMAPAS, PLAYA MISMALOYA, de areia fina e dourada, águas transparentes e suaves marés, temos ainda as Praias LOS VENADOS, PUNTA NEGRA, CONCHAS CHINAS e BOCA TOMATLAN.
Nem toda PUERTO VALLARTA é somente SOL e PRAIA, ha também atrativos culturais como: MUSEO ARQUEOLOGICO a arquitetura colonial da PARÓQUIA DE NOSSA SENHORA DE GUADALUPE, MERCADO famoso pelos produtos marinhos ali vendidos a preços convidativos.
Fonte: www.ecoturnews.com.br
Pontos Turísticos do México
Há várias coisas interessantes para turismo no México. Pirâmides e templos antigos, grandes megalópoles e resorts tropicais. A viagem ao México pode começar na sua capital, a Cidade do México. É a terceira maior metrópole do mundo, perdendo apenas para Tóquio e Nova Iorque. Essa cidade com mais de 20 milhões de habitantes foi construída sobre as ruínas de Tenochtitlan, a antiga capital Asteca fundada em 1325. Indícios de civilizações antigas estão presentes na cidade, particularmente nas escavações do Templo Mayor e no Museu Antropológico no Parque Chapultepec. Tenochtitlan foi fundada em 1325 pelos astecas.
Um dos pontos turísticos obrigatórios são as pirâmides de Teotihuacan e Chichen Itza. Teotihuacan fica a 50km ao norte da Cidade do México e é possível observar pinturas místicas como figuras de deuses, seres noturnos entre outros. As ruínas de Chichen Itza ficam entre Cancun e Merida, onde habitavam as tribos Mayas.

Se você se cansar de ver ruínas e estradas empoeiradas, você pode desfrutar de resorts como Cancun, Puerto Vallarta ou Acapulco.
Cancun é um dos pontos turísticos mais populares do México. Com apenas 35 anos de existência, Cancún foi construída no que antes era uma vila de pescadores. Cancún é famosa por suas belas praias que contornam toda a cidade.
Um dos pontos turísticos mais excitantes do mundo, Acapulco é famosa por sua vida noturna, belas praias, inúmeros esportes aquáticos, hotéis e restaurantes de primeira linha e a maravilhosa Baía de Acapulco.
A melhor época para curtir um turismo no México é entre Outubro até Maio.
Fonte: www.turismobrasil.info
Pontos Turísticos do México
 

CAPITAL DE MÉXICO

A capital da República Mexicana é uma das mais povoadas do mundo, com 11 milhões aporximadamente, de habitantes e, uma zona de satélite que quase duplica sua população. Situada no leito seco do Lago Texcoco e rodeada de montanhas, foi chamada por Cortés como "coisa maravilhosa". A cidade cresceu de forma desordenada, embora conservando sempre a herança histórica nas construções e costumes. México é uma tentação que encanta quem a conhece. Talvez o absoluto, a sua magnitude e por ser o reinado dos contrastes, alguns elementos possibilitam tão estranha fascinação.
Achamos que o melhor, é visitar os principais lugares de interesse do centro histórico, caminhando. Também pode utilizar o metrô, um dos mais eficientes, rápidos e limpos do mundo, as combes (chamadas "peseros", pequenos ônibus), os novos bici-táxis, o pequeno trem que realiza percursos turísticos, os ônibus ou bem o táxi.
O centro histórico era construído acima das ruínas da antiga Tenochitlán. Trata-se de um conglomerado de vestígios coloniais e ocultas construções aztecas. O melhor lugar para iniciar a visita é desde o Zócalo ou Praça da Constitución, a segunda praça maior do mundo. Em torno dela encontra-se o Palácio Nacional, com esplêndidos murais de Diego Rivera, a Suprema Corte de Justiça, o Portal de Mercaderos, a zona arqueológica do Templo Mayor, o Museu e a Catedral Metropolitana. A construção deste impressionante templo iniciou-se no século XVI sobre o recinto cerimonial azteca e, não acabou até o XIX, ração pela que reúne vários estilos arquitetônicos como o renascentista espanhol, barroco, neo clássico francês e inclusive algumas das vidraçarias de Matias Goherita, além de excelentes mostras da arte contemporânea. É a maior Catedral latino americana, e no seu interior destacam vários retábulos barrocos e Neo-clássicos. Não menos surpreendente é o Sagrario Metropolitano, considerado como uma das obras churrigurescas mais importantes do país.

Da Catedral, atravessando a rua, encontra-se o Monte Nacional de Piedad, o lugar onde existira o Palácio Axayácatl e onde Cortés esteve prisioneiro a Moctezuma. Do lado contrário, o Templo Mayor, conformado por duas pirâmides gêmeas e, lugar onde os aztecas adoravam a Huitzilopochtli, deus da guerra e a Tláloc, deus da chuva. Aqui, levanta-se o Museu que mostra peças achadas no jazigo e constitui um dos mais belos e modernos lugares de exibição com que a capital conta.
Muito perto, ao norte, a Praça de São Domingo, onde levanta-se a Antiga Aduana, considerada como uma das edificações mais harmoniosas do México e sede da antiga Santa Inquisição. Aqui encontra-se o Portal dos Evangelistas, chamado assim pelos numerosos escrivãos que, com suas velhas máquinas, relatam e comprimentam o que for solicitado (inclusive cartas de amor). Voltando ao Zócalo e em direção sul descobrirá o Museu da Cidade, que exibe uma coleção de peças que mostram a história da capital. Muito perto está o Hospital de Jesus, fundado por Hernán Cortés, cujos restos estão enterrados embaixo de uma singela lápide, que não tem mais legenda no seu nome na igreja adjunta.
Voltando ao Zócalo e em direçao Oeste, pela rua Madero, pode-se visitar a Igreja-Convento de São Jerônimo, do século XVII. Entre seus muros viveu a célebre poetisa Sor Joana Inês da Cruz. A poucos passos a Igreja da Profesa, lugar onde iniciou-se a conspiração para alcançar a independência. O Palácio de Itúrbide, do século XVIII, importante casa colonial, destacada pela arquitetura e, muito perto a Casa dos Azulejos, hoje café, onde aconselhamos a desfrutar de um gostoso desejum do tipo "ovos rancheros". A frente, o Templo de São Francisco e a Torre Latino Americana, com 177 metros de altura e a segunda em altura, depois da Torre de Petróleos.
Neste ponto descobrirá o belo e delicado Palácio de Belas Artes. Construído em mármore de Carrara, no início do século, seguindo o estilo Art Nouveau e acabando em pleno auge do Art Déco, é sede de importantes exposições, concertos, óperas. Coraise apresentações do Balé Folclórico. Destaca-se, o maravilhoso pano de fundo de vidro de Tiffany, beseado em um desenho do célebre pintor, que representa os vulcões Popocatépetl e Iztaccíhuatl. Aqui aloja-se o Museu Nacional de Arquitetura. Muito perto o Palácio de Correios e "El Caballito", monumento dedicado a Carlos IV cuja figura é apagada pela perfeição com que seu autor, Tolsá, executou o corcel que monta o soberano. Ao frente, o Museu Nacional de Arte, onde pode-se desfrutar um interessante percurso pela arte dos séculos XVI ao XX e o Palácio de Minería, a mais bela mostra do estilo Neo-clássico que caraterizou o México do fim de século.
Atrás, o Palácio La Alameda, tradicional parque que data do século XVI, um dos melhores lugares para observar a vida e costumes dos habitantes da capital. Durante os fins de semana é ocupada por numerosos postos de comida e artesãos, além dos espetáculos de música e baile. Por perto da Alameda, o Museu de Artes e Indústrias Populares, desde onde pode-se ver o Hemiciclo Benito Juárez. Muito perto, deixando atrás o parque, chegará à Igreja-Convento de São Hipólito, que merece uma visita por ser o lugar em que os espanhóis foram derrotados pelos aztecas na Noite Triste. Continuando mais para o Oeste pela Av. Juárez, chegará à Praça da República, onde levanta-se, majestoso, o Monumento a la Revolución. A frente o Frontón México, lugar de jogo de bola vasca e muito perto, o Museu de São Carlos, de estilo Neo-clássico e, que aloja a tradicional Acadêmia de Pintura do México. A muitos poucos passos, no antigo Convento de São Carlos, está o Museu José Luis Cuevas e a colosal escultura "La Giganta".
Deixando esta zona, aconselhamos ir à Praça das Três Culturas, onde coincidem os alicerces de uma pirâmide azteca, um convento colonial e a moderna torre branca da Secretaria de Relações Exteriores a a Basílica de Guadalupe, tanto a construída em tempos de conquista como a nova, pelo prfundo significado religioso. Aqui sentirá muito de perto o fervor dos crentes. 12 de dezembro, Dia da Virgem de Guadalupe, milhares de peregrinos reúnem-se para cantar serenatas.
Vá até o Paseo da Reforma admirar as construções decimônonicas e modernas que são vigiadas. Em uma bela e animada praça levanta-se o Angel da Independência, o monumento mais simbólico da cidade. Quando chegue a ele estará na conhecida Zona Rosa, um dos bairros mais elegantes e comerciais da Cidade de México. Pelo Paseo pode-se ir ao extenso Bosque de Chapultepec. Nesta zona encontra-se, no alto de uma pequena colina. O Castillo, onde viveu o imperador Maximiliano e, onde os nossos heróis morreram defendendo a sua escola Militar durante a guerra e, invasão norte-americana que custou ao país a perda dos Estados da Califórnia, Texas e Novo México. Na atualidade aloja o Museu de História. O bosque acolhe o Zoológico e os Museus de História Natural, Arte Moderna, Rufino Tamayo e o importante Museu de Antropologia e História. Este último aloja a coleção de peças pre-colombianas, a mais importante da América. Nas 25 salas exibem peças de todas as culturas e lugares do México. Aconselhamos que o percorra em várias visitas (tem restaurante).
Em outra direção e para o sul, pela Av. Insurgentes, uma das mais compridas do mundo, poderá ter acesso a Coyoacán, bairro tradicional de México. As ruas conservam o ambiente colonial e o Templo de São João Batista, junto com os Museus de Frida Kalho e das Artes Populares, são alguns dos principaís atrativos da zona. Mais ao sul localiza-se a pitoresca Vila de São Angel. As ruas empedradas e as majestosas casas coloniais o convertiram em um lugar de elite. Nos finais de semana, numerosos artistas expõem os seus trabalhos, sendo bom lugar para algumas compras.
Aqui encontra-se o Museu Estudio Diego Rivera, em uma construção de estilo funcionalista e o Convento do Carmo, com uma das belas cúpulas policromadas da Nova Espanha e com a única coleção de múmias da cidade. Em uma fazenda antiga, desfrutá de um dos restaurantes mais elegantes do país, o "São Angel Inn".
Mais para o sul, depois do bairro de Tlalpan e do Estadio Azteca, com uma impressionante escultura metálica, o "Sol Roxo" de Alexander Calder, encontra-se Xochimilco, "Lugar das Flores" e testemunha das antigas lagoas de Tenochitlán. Neste lago os indígenas cultivavam verduras, flores e frutos nas chinampas, parcelas flutuantes de terra. Aconselhamos dar um passeio pelos canais em alguma das trajineras ou lanchas enfeitadas com flores (de plástico). Não deixe de ir à praça e o mercado onde poderá degustar a comida mexicana e realizar algumas compras a preços baixos. Em Xochimilco vá ao Museu Dolores Olmedo, com a coleção privada mais importante de Diego Rivera, com obras de Frida Kalho, peças de arte pré-hispânica e de artes populares. Encontra-se uma bela fazenda acondicionada para alojar tão importante mostra.

OS ARREDORES DO DISTRITO FEDERAL

Neste percurso iniciaremos pelos lugares de interesse do estado do México, para continuar pelos estados de Morelos, Puebla, Tlaxcala e Hidalgo. Realizaremos um curto pulo ao Estado de Guerrero.

ESTADO DE MÉXICO

Aproximadamente a 40 quilômetros para o norte de Cidade de México encontra-se Teotihuacán, cujo nome significa "lugar de deuses". Trata-se de um impressionante conjunto arqueológico abandonado no ano 800 e composto pelas Pirâmides do Sol, da Lua, a Calçada dos Mortos, a Ciudadoa, o Templo de Quetzacóatl e o Palácio Quetzalpapalotl. A magnifIcência do caminho vai cativar-lo. Muito perto é bom fazer uma parada no Convento de Acolman, o melhor lugar para compreender a mestiçágem entre as duas cosmo-visões que fizeram possível, o México de hoje: a indígena e a espanhola.
Outra das excursões que pode-se fazer desde a Cidade de México é a visita à Valle de Bravo, encantador lago rodeado de montanhas. Encontra-se a 80 quilômetros de Tpluica e constitui um dos mais importantes centros naúticos do país, onde junto com o esquí aquático, nevegação à vela, vôo sem motor, equitação e golf, poderá desfrutar de excelentes restaurantes e discotescas cheias de gente jovem.

Toluca

Toluca, a cidade mais alta do país, com 2.600 metros de altitude, é a capital do Estado de México. Nela distingue-se o Portal Madero e a Catedral, todos dois do século XIX, o novo Cosmovitral e Jardim Botânico, um encantador lugar de plantas e flores no que foi o antigo mercado, o Templo do Carmen, do século XVIII, o Templo da Santa Veracruz, século XVI, de fachada neoclássica e o Centro Cultural Mexiquense, 8 km ao oeste do centro da cidade e que acolhe o Museu de Culturas Populares, o Museu de Antropologia e História e o Museu de Arte Moderna.
Para os que gostam da natureza o Estado de México oferece, entre outros atrativos, o Nevado de Toluca (Xinantécatl), um vulcão com 4.558 metros de altura situado a 22 quilômeros da capital. E para os amantes da arqueologia, nada melhor que ir para a Calixtlahuaca, o assentamento Matlazinca mais importante do estado, onde destaca-se Teocalli (Casa de Deus), de planta circular e quatro edificações sobrepostas em distintas épocas, dedicado a Ehécatl "deus do vento". Perto, nos bosques de oyameles, produz –se o maravilhoso fenômeno da migração anual da borboleta monarca, que pode-se contemplar dento de circuitos, severamente vigiados pelos guardas rurais, encarregados de fazerem respeitar o chamado "Santuário da Mariposa" (cfr. O apartado dedicado a Michoacao).

MORELOS

O Estado de Morelos caracteriza –se por ser um estado pequeno, por acolher bom número de mosteiros do século XVI e por alojar balneários emblemáticos como Oaxtepec.

Tepoztlán

A 80 quilômetros da Cidade do México, levanta-se Tepoztlán (Lugar do Cobre), em um verde vale rodeado de incríveis formações de montanhas. Foi aqui o lugar onde apareceu Quetzacóatl, o místico deus dos Aztecas. Provavelmente por isto, Tepoztlán converteu-se nos últimos tempos, em um lugar de encontro de intelectuais, artistas e boêmios. É aconselhável visitar o Ex-Convento Dominicano da Natividad, do ano 1506, de fachada plateresca, o Museu Arqueológico Carlos Pellicer, com interessantes peças pre-colombianas e a Pirâmide de Tepozteco, no alto de uma pequena montanha.

Cuernavaca

Para o sul da República. Em direção a Acapulco, encontra-se Cuernavaca, a cidade da eterna primavera. Trata-se de uma preciosa povoação onde o lazer e os passeios, visitando os monumentos coloniais, é a melhor atividade. Distinguem-se o Palácio de Cortés e o Museu de Cuauhnáhuac, com murais orientais e, porque nela pode –se apreciar as diversas etapas de sua construção desde a ano 1526 (Capela de São José, Templo da Asunción de María e Templo da Terceira Ordem de São Francisco), o Museu Robert Brady, com mostras de artistas contemporâneos, o Museu Herbolário, na antiga casa construída pelo Imperador Maximiliano, chamada também "La Casa do Olvido", o Palácio Municipal, do século XIX e o Salto de São Antón, uma cascata de 40 m de queda livre.

Taxco

Continuando pela estrada principal, mais para o sul, encontra-se Taxco, a capital da prata. A pequena cidade estende-se pelas ladeiras das montanhas e minas. Aqui moran alguns dos melhores oríveres do mundo. Distinguem-se a Igreja de Santa Prisca, a peça mestra da arquitetura barroca, com impressionantes torres e uma inesquecível fachada churrigueresca, a Casa Humboldt que acolhe o Museu de Arte Virreinal, o Museu da Platería, onde podem-se ver os melhores trabalhos em prata, suas numerosas lojas de ourivesaria, as ruas empedradas e o pitoresco ambiente.

PUEBLA

Para definir o Estado de Puebla precisa-se dizer que é uma região de vulcões, vales, povoados típicos e, provavelmente, o lugar com alguns dos trabalhos mais importantes de arte colonial no México.

Puebla dos Angeles

Para o sul da Cidade de México, na direção à Veracruz, liga-se Puebla, "a cidade dos azulejos". Conta com perto de um milhão e meio de habitantes e entre os seus atrativos destaca-se a Capela do Rosário, recoberta de ouro, e lugar onde destaca-se toda a fantasia dos mestres barrocos; a Catedral, do século XVI com fachada estilo herreriano, a Biblioteca Palafoxiana no Antigo Palácio do Arzobispado, o Museu Amparo com uma extraordinária coleção de arte pré-hispãnico e colonial, a Casa das Artesãos no Ex-Convento de Santa Rosa, o Museu Bello e González com preciosa fachada, o Museu Regional do Estado na antiga Casa de Alfeíque de estilo barroco e o Teatro Principal, considerado como o mais antigo de América, para citar algumas construções emblemáticas.
Não deixe de visitar, pelar redondezas, os formosos conventos levantados ao pé do vulcão Popocatépetl, com preciosos pátios interiores de arcos decorados e fontes de pedra, formando um agradável conjunto; Huejotzingo, lugar onde elabora-se sidra e com o belo Mosteiro de São Miguel do século XVI; e Africam Safari, zoológico com animais em liberdade.

TLASXCALA

Tlaxcala é o menor estado da República Mexicana. São seus principais atrativos dois lugares, Tlaxcala e Cacaxtla.

Tlaxcala

A capital do estado é uma pacífica vila colonial. Ao redor das duas praças principais localizam-se seus atrativos, como o Palácio de Governo com belos murais do artista local Hernández, o Ex-Convento de São Francisco, um dos primeiros mosteiros do país, o Santuário da Virgem de Ocotlán, que além da fachada churrigueresca, é um dos centros de peregrinação mais importantes do México, e o Museu de Artes e Tradições Populares com o melhor dos trabalhos regionais.

Cacaxtla

A 20 quilômetros a sudeste de Tlaxcala localiza-se a Zona Arqueológica de Cacaxtla, antiga capital dos olmecas-xicalancas, atingindo seu máximo desenvolvimento entre 650 e 900 dC. Foi abandonada para o ano 1.000 da nossa era.
As ruínas de Cacaxtla escondem os mais belos afrescos de todo o país. As pinturas murais conservam seu colorido e força, só precisa chegar perto do Mural da Batalla para descobrir toda a magia das ruínas. Este mural, realizado entre os anos 650 e 700 dC. representa a luta entre dois grupos: os vencidos levam adornos de cabeça feitos com ricas penas de aves, jóias e jade e encontram-se feridos, enquanto que os vencedores, a maior parte com couros de onça, atacam os inimigos com lanças, facas de obsidiana (pedra vulcânica) e lança-dardos. Para protegê-lo, foi construído um teto metálico que constitui uma das maiores superfícies cobertas do mundo.

HIDALGO

Ao norte da Cidade de México, pelo caminho que conduz a Tepoztlán (Morelos), vale a pena visitar as Ruinas de Tula, antigo assentamento fundado pelos Chichimecas. Destacam-se os "Atlantes", sólidas colunas de quase cinco metros que representam ferozes guerreiros (ver o apartado de Lugares Arqueológicos).

Pachuca

A "bela arejada" capital do Estado de Fidalgo é uma modesta cidade com população aproximada de 30.000 habitantes. Aqui tem o Museu Nacional de Fotografía, com um arquivo de mais de um milhão y meio de imagens, a Igreja da Assunção de século XVII e o Centro Cultural Hidalgo, no antigo Mosteiro de São Francisco (compreende dois museus, um teatro, galeria de arte e uma biblioteca).

GUERRERO

O Estado de Guerrero abrange uma agreste zona montanhosa (como querendo proteger as belas praias do Pacífico), dois destinos turísticos muito solicitados e, bom número de pequenos povoados costeiros e de montanha. A capital, Chilpancingo, acolheu no início do século XIX o célebre Congreso de Chilpancingo, onde realizou-se a Declaração da Independência.

Acapulco

Acapulco, nas costas do Pacífico, é um dos destinos mais explorados do México. A imagem da Quebrada, onde os cravadistas lançam-se ao mar desde alturas de vertigem, tem dado a volta ao mundo. Acapulco é sinõnimo de lojas,. bares, restaurantes, discotecas e praias como a do Revolcadero, estenso arenal com uma lagoa o a do Pie da Cuesta, lugar romântico, cujas palmeiras servem de marco a um dos entardeceres mais belos do país. Não é a toa que Acapulco é o destino turístico mais antigo do México.
Na zona centro e do velho Acapulco destacam o Zócalo, a Igreja de Nossa Senhora da Solidão, com duas preciosas torres cobertas de azulejos amarelos e azuis, o Forte de São Diego, reconstruído no séculpo XVIII e com fascinante museu no interior, o Mercado Municipal, o maior que pode-se ver em qualquer destino de praia, o Mágico Mundo Marino, onde realizam-se exibições marinhas sob teto e as Praias de Caleta e Caletilla. O coração da zona hoteleira é a Avenida Miguel Alemán, conhecida popularmente como "la costera", onde encontra-se o Parque Papagaio, o Centro Cultural Guerrero, provido de um moderno museu e, o Centro Internacional Acapulco, sede de importantes convenções como a do Tianguis Turístico Annual. Em La Costera concentra-se toda a vida da preciosa baia.
A sudeste de Acapulco, entre o aeroporto e a baia encontra-se Porto Marquês, tranquila bahia que acolhe o luxuoso complexo turístico Punta Diamante e Praia Revolcadero, uma larga faixa de areia branca, rodeada de palmeiras. É o melhor lugar para os surfistas e, para quem gosta do golfe. Não deixe de visitar o Complexo Vidafel, que conta com canais. piscinas e preciosos motivos decorativos de inflluência maia.

Ixtapa-Zihuatanejo

Ao norte destas costas encontra-se Ixtapa, o centro turístico mais moderno do ocidente mexicano, em claro contraste com Zihuatanejo, povoado que conserva o jeito tradicional e com perto de 60.000 habitantes. Nos tempos pré-colombianos constituiu um santuário sagrado para a nobreza indígena do México e supõe-se que a zona foi na época uma sociedade matriarcal, já que o nome significa: "lugar de mulheres". Distingue-se, além do ambiente pacífico, o Museu Arqueológico da Costa Grande de Zihuantanejo, que exibe peças de cerâmica e outros objetos encontrados na zona. Desde aqui pode-se viajar de lancha à Praia Las Gatas, lugar em que o "snorkeling" é a atividade mais praticada e, a Ilha Ixtapa, refúgio para a fauna selvagem onde habita tatus, mapaches, veados, iguanos e numerosas espécies de aves próprias da região. A melhor praia da ilha é Praia Coral.
Ao sul, a 20 quilômetros de Zihuatanejo, encontra-se Praia Branca, com enorme lagoa excelente para a observação das aves. As léndas de piratas e tesouros, faladas no povoado de pescadores, não desmerece as encantadoras praias de Barra de Potosí.

Política no México .



Política de cooperação no México


A política mexicana em matéria de cooperação é uma das mais ativas do continente. México mantém sólidas relações de cooperação com 46 países. Os inventários da cooperação internacional do país incluem uma diversidade de organismos internacionais e regionais e mecanismos de acordo político e cooperação, como as cúpulas de Chefes de Estado e de Governo.
 Nesse meio, é a Secretaria de Relações Exteriores a encarregada de conduzir e coordenar os esforços mexicanos para manter ou ampliar o espectro da cooperação internacional de México. Esta tarefa é realizada pela Direção Geral de Cooperação Técnica e Científica (DGCTC), que nasce com o objetivo de "promover a cooperação internacional para o desenvolvimento como princípio reitor da política exterior de México e aproveitá-la como ferramenta de apoio ao desenvolvimento integral do país".
Assim mesmo, a DGCTC é responsável de gerar a informação necessária para promover o cumprimento dos compromissos de México na matéria.
Nos projetos de cooperação técnica e científica colaboram organismos nos três níveis de governo (federal, estatal e municipal), bem como instituições acadêmicas, centros de investigação e organizações da sociedade civil. Os projetos são coordenados pela Secretaria de Relações Exteriores e podem revestir qualquer das três vertentes sob as que se instrumenta a cooperação internacional do México: como receptor de ajuda, como doadora e a cooperação horizontal.

Direção Geral de Cooperação Técnica e Científica

A política de cooperação técnica e científica internacional de México tem como propósito contribuir à consolidação das capacidades nacionais, através da execução de projetos que favoreçam o desenvolvimento social integral e sustentável e da promoção do desenvolvimento equilibrado das relações exteriores.
A Direção Geral, que depende da Unidade de Relações Econômicas e Cooperação Internacional, coordena a participação de México nas diferentes vertentes da cooperação técnica, científica e tecnológica com países industrializados, de desenvolvimento intermédio e em via de desenvolvimento, bem como com organismos multilaterais e foros internacionais.
Grandes âmbitos de cooperação
Objetivos política mexicana de cooperação


Política e Governo do México

Cidade do México
Cidade do México
Independência: Desde o dia 16 de Setembro de 1810, libertando-se da conquista, ocupação e colonização de Espanha. (CIA Fackbook de 2001).
Nome oficial: Estados Mexicanos Unidos(CIA Fackbook de 2001).
Capital: Cidade do México.
Constituição: De 5 de Fevereiro de 1917.(CIA Fackbook de 2001).
Caracterização generalista do sistema legal: É uma mescla da teoria constitucional americana e do sistema do direito civil; aceita a jurisdição do ICJ com reservas.
Divisões administrativas: 31 Estados e 1 Distrito Federal; Aguascalientes, Baja California, Baja California Sur, Campeche, Chiapas, Chihuahua, Coahuila de Zaragoza, Colima, Distrito Federal*, Durango, Guanajuato, Guerrero, Hidalgo, Jalisco, Mexico, Michoacan de Ocampo, Morelos, Nayarit, Nuevo Leon, Oaxaca, Puebla, Queretaro de Arteaga, Quintana Roo, San Luis Potosi, Sinaloa, Sonora, Tabasco, Tamaulipas, Tlaxcala, Veracruz-Llave, Yucatan, Zacatecas.
Feriado nacional: 16 de Setembro - Dia da Independência.
Tipo de governo: República Federal.
Sufrágio: A partir dos 18 anos, universal e obrigatório.

Poder Executivo do México


O Presidente da República Federal é eleito por sufrágio universal, directo, para um mandato de seis anos. A Constituição proíbe a reeleição do mesmo. O Presidente é o Chefe Supremo das Forças Armadas. Este pode declarar guerra a outros países, mas para faze-lo necessita da autorização do Congresso da União. O Presidente dirige as relações com os outros países. O Presidente nomeia os seus colaboradores mais directos, que respondem pelo nome de Secretários de Estado. Cada um tem a seu cargo uma Secretaria que se encarrega de uma área de Governação.

Poder Legislativo do México


O Poder Legislativo denomina-se Congresso da União (Honorable Congreso de la Unión) ou Poder Legislativo Federal. O Congresso da União encontra-se dividido em duas câmaras: a Câmara dos Deputados (Cámara de Diputados) e a Câmara dos Senadores (Senado de la República), que se encarregam de discutir e fazer leis. A Câmara dos Senadores (Senado de la República) que é composta por 128 Senadores, onde 96 são eleitos por círculos correspondentes a cada um dos 31 Estados da União e do Departamento Federal. Três são eleitos por cada círculo e desses três dois são eleitos por maioria relativa e outro pela primeira minoria (a primeira minoria corresponde ao partido que ficou em segundo lugar no círculo estadual). Os restantes 32 Senadores, são eleitos de forma proporcional por um círculo nacional. O mandato dos senadores é de 6 anos e a câmara é renovada toda ao mesmo tempo. Actualmente, e depois dos resultados das votações das eleições de 2 de Julho de 2000, compõem a Câmara dos Senadores (Senado de la República), 60 senadores para o Partido Revolucionario Institucional, 49 senadores para o Partido Acción Nacional, 16 senadores para o Partido de la Revolución Democrática, 5 para o Partido Verde Ecologista de México) e 1 senador da Convergencia por la Democracia (que não tem grupo parlamentar). A Câmara dos Deputados (Cámara de Diputados) é composta por 500 deputados. Trezentos são eleitos segundo o princípio da votação maioritária relativa, mediante um sistema de círculos uninominais (estes círculos são delimitados segundo o censo populacional). Os restantes 200 são eleitos segundo o princípio de representação proporcional, que é feito através de um sistema de listas regionais, votadas em cinco grandes circunscrições plurinominais para um mandato de 3 anos. Depois dos resultados das votações das eleições de 2 de Julho de 2000, compõem a Câmara dos Deputados, 209 deputados para o : Partido Revolucionário Institucional (132 destes eleitos por maioria e 77 eleitos pelos círculo plurinominais), 207 deputados para o Partido Acción Nacional (136 destes eleitos por maioria e 71 eleitos pelos círculo plurinominais), 52 deputados para o Partido de la Revolución Democrática (24 destes eleitos por maioria e 28 eleitos pelos círculo plurinominais), 16 depautados para o Partido Verde Ecologista de México (6 destes eleitos por maioria e 10 eleitos pelos círculo plurinominais), 8 deputados para o Partido del Trabajo (2 destes eleitos por maioria e 6 eleitos pelos círculo plurinominais), 3 deputados para o Partido de la Sociedad Nacionalista (todos eleitos pelos círculo plurinominais), 2 deputados para o Partido Alianza Social (os dois eleitos pelos círculo plurinominais), 2 independentes eleitos pelos círculos plurinominais e 1 deputado eleito para Convergencia por la Democracia pelos círculos plurinominais. Os deputados e os senadores são originários de todos os estados da República e pertencem a diferentes partidos políticos, para que representem o povo, podendo ser exercidos por indivíduos de ambos os sexos. Para além de elaborar leis, os deputados e os senadores supervisionam as actividades do Poder Executivo Federal. Quando as Câmaras aprovam um projecto-lei, enviam-no ao Presidente para que este a promulgue ou não..

Poder Judicial do México


O Poder Judicial da Federação tem como função primordial estabelecer como Lei Suprema a Constituição. O Poder Judicial Federal sáo formados a nível superior pela Suprema Corte de Justicia de la Nación, o Tribunal Electoral del Poder Judicial de la Federación, Tribunal Federal de Justicia Fiscal y Administratíva e o Tribunal Superior de Justicia del Distrito Federal. A nível inferior os tribunais dividem-se os Tribunales Colegiados, os Tribunales Unitarios de Circuito e os Juzgados de Distrito. O Consejo de la Judicatura Federal controla e fiscaliza o poder Judicial. A Suprema Corte de Justicia de la Nación, é o tribunal máximo do México e é composto por 11 Ministros apontados pelo Presidente da República Federal e ratificados pelo Senado de la República.

Participação em Organizações Internacionais


Cooperação Económica da Ásia e do Pacifico, Banco Centro Americano de Integração Económica; Banca de Regulamentos Internacionais; Conselho de Cooperação das Alfândegas; Conselho da Europa (observador); Comissão Económica das Nações Unidas para a América Latina e Caribe; Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura; Grupo dos 3 das Nações Unidas; Grupo dos 6 das Nações Unidas; Grupo dos 11 das Nações Unidas; Grupo dos 15 das Nações Unidas; Grupo dos 19 das Nações Unidas; Grupo dos 24 das Nações Unidas; Banco Inter-americano de Desenvolvimento (América Latina); Agência Internacional de Energia Atómica; Banco Internacional para a Reconstrução e o Desenvolvimento; Organização de Aviação Civil Internacional; Centro Internacional de Computação das Nações Unidas; Confederação Internacional das Centrais Sindicais Livres; Associação Internacional de Desenvolvimento; Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola; Corporação Internacional de Finanças; Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho; Organização Internacional do Trabalho; Fundo Monetário Internacional; Organização Marítima Internacional; INTELSAT; Organização Internacional de Policia Criminal; Comité Olímpico Internacional; Organização Internacional das Migrações (observador); Organização Internacional de Standarização; União Internacional das Telecomunicações; Associação de Integração Latino-Americana; Movimento dos Não Alinhados (observador), Organização dos Estados Americanos; Agência para a Proibição das Armas Nucleares na América Latina e no Caribe; Organização para a Proibição das Armas Químicas; Tribunal Permanente de Arbitragem; Grupo do Rio; Organização das Nações Unidas; Conferência das Nações Unidas para o Comercio e o Desenvolvimento; Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura; Universidade das Nações Unidas; União Postal Universal; Confederação Mundial do Trabalho; Federação Mundial das Uniões de Comércio; Organização Mundial de Saúde; Organização Mundial da Propriedade Intelectual; Organização Meteorológica Mundial; Agência Internacional de Energia; Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial.
Igreja em Acapulco
Igreja em Acapulco

A constituição mexicana de 1917 criou uma república federal presidencialista com separação de poderes entre ramos executivo, legislativo e judicial separados. Historicamente, o executivo é o ramo dominante, com o poder investido no presidente, que promulga e executa as leis emanadas do parlamento, o congresso federal, ou Congreso de la Unión.
O Congresso tem vindo a desempenhar um papel de importância crescente desde 1997, quando os partidos da oposição pela primeira vez conquistaram ganhos importantes. O presidente também legisla por decreto executivo em certos campor económicos e financeiros, usando poderes delegados pelo Congresso. O presidente é eleito por sufrágio universal para mandatos de 6 anos e não pode voltar a exercer o cargo. Não existe vice-presidente; no caso de demissão ou de morte do presidente, um presidente provisório é eleito pelo Congresso.
O Congresso Nacional é bicameral e composto por um Senado (Cámara de Senadores) e uma Câmara de Deputados (Cámara de Diputados). A reeleição consecutiva é proibida. Os senadores são eleitos para mandatos de 6 anos, e os deputados servem durante 3 anos. Os ocupantes dos 128 lugares do Senado são escolhidos através de uma mistura de eleição directa e de representação proporcional. Na Câmara (baixa) dos Deputados, 300 dos 500 deputados são eleitos directamente em círculos uninominais, e os restantes 200 lugares são eleitos através de uma forma modificada de representação proporcional com base em cinco regiões eleitorais. Estes 200 lugares foram criados para ajudar os partidos mais pequenos a ter acesso ao parlamento.

Arte Pré-colombiana no México .


Arte Pré-colombiana

Ninguém duvida da grandiosidade dos povos pré-colombianos. Desde as origens, os indígenas mostraram uma profunda sensibilidade nas suas expressões artísticas. Povos como os olmecas, teotihuacanos, zapotecas-mixtecos, purepechas, etc, sobressaíram por sua elaborada arte.
Os maias desenvolveram uma civilização avançada, com grandes centros cerimoniais como Tikal, Palenque ou Copán, onde esculpiram delicadas estrelas, finas janelas ou elaboradas lajes. Por exemplo, na estrela de Quiriguá gravaram cálculos exatos das posições astronômicas, fazem 400 milhões de anos, calculando o tempo de um ano com maior exatidão, que o nosso atual calendário gregoriano. Não pode esquecer-se, além disso, as operações matemáticas e o fato de ter sido o primeiro povo americáno em trabalhar a escrita por meio de confusos hieroglifos.
Os maias destacaram em todas as artes, feito que constata-se na cerâmica policromada e chumbada, na decoração das fachadas, na refinada pintura, nas vasilhas de alabastro ou na incorporação de arcos em suas construções. Nestas manifestações deixa –se sentir a influência dos toltecas, quando aparecem os chac-mooles, altares decorados com crânios e tíbias cruzadas ou os edifícios curculares. Seus sólidos conhecimentos urbanísticos foram o suficentemente extensos para poder construir terraças artificiais, calçadas, aquedutos e tanques nas cidades.
Os aztecas não introduziram grande inovações e, em suas pirâmides percebe-se a influência totlteca. Porém, destacaram-se por ter sido grandes artistas de profunda sensibilidade. A arquitetura e escultura azteca é impressionante, seguramente influenciada pelos ritos de sacrifícios humanos. As expressões transmitem muita força que, pode parecer no primeiro momento brutal, mas de uma original beleza quando estudada em detalhes.

Período Pré-clássico (2.000 aC ao 200 dC)

Neste tempo formaram-se os padrões principais da civilização mexicana e sua habilidde arquitetônica para trabalhar com a pedra, as técnicas manuais para os tecidos, cerâmicas, talhados em pedra e madeira, a escritura hieroglífica e, a divisão do tempo e as estações do ano. Graças à utilização de diferentes métodos agrícolas, a população cresceu rapidamente, convertindo as pequenas vilas em povoados. Começaram a surgir centros cerimoniais, que serviram também, como centros de troca e comércio. Bons exemplos deste período são: São Lorenzo, La Venta, Tres Zapotes (Estado de Veracruz) e Cuicuilco, na Cidade de México.

Período Clássico (200 dC ao 900 dC)

Etapa em que acontece a transição das culturas rurais aos centros urbanos com hegemonia política e econômica. Neste tempo foi a "época dourada" para as expressões artísticas. Foi um tempo em que construíram-se importantes obras arquitetônicas, logrou-se uma planificação urbana avançada e, ocrreram relevantes fatos no âmbito intelectual. O comércio realizou-se de forma organizada o que, ao lado de uma estratificação de sociedade teocrática, permitiu aos governantes a criação de grandes impérios.
Os melhores exemplos deste período o encontramos em lugares como Teotihuacán e Cholula (na Mesa Central), El Tajín (Veracruz), Monte Albán (Oaxaca), Palenque e Bonampak (Chiapas), Dizbilchantún, Labná, Kabah, Sayil, Chichen-Itzá e Uxmal (na Península de Yucatán).

Período Pós-clássico (900 dC ao 1521 dC)

Este período caracterizou-se pela evolução das estruturas sociais, passando da ordem teocrática a ordem militar. Além disso, sucederam-se câmbios nos importantes centros cerimoniais (como Cholula, Chichén Itzá, Tenochtitlán), desaparecendo alguns e, outros florescendo.
O Período Pós-clássico esteve dominado pelo Império Azteca e pelo ressurgimento da civilização maia nas proximidades de Chichén-Itzá e Uxmal. As mostras deste tempo encontramos em sítios como Xochicalco (Estado de Morelos), Tula (Hidalgo), Tenayuca e Tenochtitlán (Mesa Central), Yagul e Mitla (Oaxaca) e Chichén-Itzá, Tulúm e Cobá na Península de Yucatán.

Arquitetura do México

A arquitetura dos séculos XVI ao XVIII é, sem dúvida, a marca mais visível do México colonial. Durante este período construiram-se perto de 15.000 templos e uma trintas catedrais, promovidas e construídas pela Igreja católica e, graças a abundante boa mão de obra indígena, mais o menos especializada (somente nos primeiros 50 anos foram construídos pelo menos 250 conventos de franciscanos, dominicanos, agostinhos e jesuítas).
A singularidade da arquitetura tem a sua base no relativo isolamento da colônia, e no comportamento dos próprios indígenas, durante sua fase de aprendizagem das técnicas espanholas. As propostas locais manifestaram nos desenhos ornamentais que iriam evoluir mais tarde, o plateresco. Nas primeiras construções, o marco mais chamativo são as capelas abertas (chamadas também capelas dos índios), assim como, os afrescos com fins didáticos. Os elementos góticos e renascentistas das construções combinavam-se com elementos mudéjares e arcaismos medievais.
Porém, é o estilo barroco que pode ser considerado como o primeiro estilo artístico americano e, muito especialmente, mexicano. Um estilo que adquire a sua própria aparência e que tem a melhor testemunha no Sagrário da Catedral Metropolitana. Coincide com o assentamento da colônia e o puxado econômico, situação que estava refletida na construção de numerosos palácios e casas singulares. O século XVIIII é a época em que a arquitetura se mexicaniza, quer dizer, momento em que os crioulos e indígenas, com propostas mais vitalistas, desprezam os artezãos europeus. No final deste período, no século XVIII o barroco foi derivando para o churrigueresco, dando vida a uma arte excessivamente carregada. Finalmente o estilo herreriano acabou impondo-se, afastando os elementos decorativos, partes muito específicas das construções.
Durante o século XIX foi introduzido diversas correntes européias ecléticas do momento, especialmente as procedentes de Itália e França, existindo um período onde impôs o estilo Neo-clássico. Resultado disto, foram as construções como o edifício dos Correios e o Palácio de Chapultepec (Cidade de México), onde podem-se apreciar as diferentes correntes modernistas. No século XX a arquitetura mexicana renova-se com as propostas dos arquitetos como Luis Barragán o Villagrán García. Entre as obras contemporâneas, destacam-se a Cidade Universitária, o Museu Nacional de Antropología e História e o Museu Rufino Tamayo.

Pintura do México

Durante a época da colônia, a pintura mexicana esteve fortemente influenciada pelos temas religiosos e enfocada à técnica mural. Os grandes retábulos e os baixo-relêvos do espirito indígena constituíram as formas mais frequentes da escultura, daquele tempo. Durante o século XIX a pintura caraterizou-se pela influência acadêmica, porém no final deste mesmo século, surgiu o movimento chamado "pintores viajantes" onde as paisagens foram o tema predominante. O século XX foi prolixo em representações históricas do país e, os movimentos revolucionários assentaram as bases do movimento muralista. Os pintores utilizaram a sua arte como instrumento de oposição política e nacionalista. José Clemente Orozco propos uma visão satírica e trágica. Diego Rivera recriou em suas pinturas a Conquista, desde o ponto de vista dos índios e, finalmente, David Alfaro Siqueiros decantou-se pelos temas sociais. Com esta sólida base surgem as obras de Rufino Tamayo, Frida Kalho, José Luis Cuevas ou Vicente Rojo, para citar alguns.

Música do México

Os rítmos mexicanos são o resultado de uma longa mistura entre numerosas formas de raças dadas, nos últimos 500 anos. Durante a época pré-colombiana a música formou parte de todas as cerimonias rituais. Os instrumentos como o huehuetl, espécie de tambor, o teponaztli, um pau ôco, as flautas de cana e argila, os caracóis do mar eram comuns nas cerimonias religiosas e civis. Com a chegada dos espanhóis os rítmos conservam-se, porém misturados com os recém chegados e, os instrumentos espanhóis, como a guitarra, arpa, violino e órgão impuseram-se rapidamente. Entre a música popular destacam o huapango, rítmo originário de Veracruz que utiliza instrumentos de corda, sandunga, muito parecida ao fandango, a música rancheira, geralmente de temas de amor e dramáticos ou corrido, muito mais alegre.

Literatura do México

Os primeiros espanhóis enfocaram a literatura para a evangelização e, desta época conservaram as crônicas históricas, como as de Sahagún e Díaz do Castillo. Destacam também, os temas que fazem referência à defesa dos índios e que tem o melhor espoente em Frey Bartolomé das Casas. Do século XVII destaca-se a extraordinária obra de Sor Joana Inés da Cruz, em cujos escritos poéticos trata do amor e a mulher.
No nosso século destacam-se Amado Nervo, ao que segue o também modernista Enrique González Martínez, caraterizado pela profundidade de seus pensamentos. Enrique Reyes trabalhou todos os gêneros. A obra de Carlos Fuentes reflete a sociedade contemporânea, enquanto que a poesia de Octavio Paz define-se como uma síntese das culturas mexicana e européia.

População e Costumes do México


Quando pergunta-se aos turistas que estiveram no México, como são os mexicanos, as respostas costumam ser variadas, extremas e difíceis de arrumar formas e tipos. É que, os mexicanos são o resultado de estranhos encontros que sucederam-se nos últimos seis séculos. A essa pergunta poderia-se responder com a célebre frase de um presidente mexicano: "os mexicanos não são isto nem aquilo, mas tudo ao contrário". Porque os mexicanos são um impressionante quadro de paradóxos e contrastes.
A razão deste jeito de ser tem sua origem na mestiçagem entre indígenas e os primeiros espanhóis, entre os crioulos e os indígenas e entre os crioulos e os espanhóis. Enfim, é o resultado estranho de um labiríntico encontro. Alguns afimam, que a contradição entre as duas cosmo-visões, a do indígena com um sentido da vida mais harmônico e, pela outra, a do mestiço que, no empenho por afirmar-se, provocou este especial caráter que define muito bem esse "X" que encontra-se no centro da palabra "México". Como disse o escritor Alfonso Reyes, é impossível chegar perto do México e dos mexicanos sem entender as contradições que este "X" tem imposto na definição de identidade de um povo que, ainda hoje, nega-se aceitar a dualidade da sua origem. Pois, os mexicanos, embora mostrem uma forte coesão e um sólido sentimento nacionalista, não resolveram ainda as contradições internas derivadas do fato de ser um país pluri-étnico e pluricultural, onde enfrentam tradições e costumes pertencentes as expressões mais genuínas da modernidade e do progresso.
Nos mexicanos encontra-se com frequência sentimentos machistas e malinchistas. Malinchistas (o termo provém da Malinche, a admirável indígena que foi a intérprete de Hernão Cortés), por admirar o alheio e o estrangeiro, e machistas por, dissimular complexos de inferioridade com atitudes de prepotência. Porém, os mexicanos não são assim, que dizer, nem isto e nem aquilo, mas tudo ao contrário. Os mexicanos são gente amável, porém impulsivos e violentos, segundo o caso. Gente aberta mais reservada, generosa, porém desconfiada, com uma visão de vida, séria e pessimista, enquanto afirmam que "a vida não vale nada" e, por isto aludem, em forma de brincadeira, à figura da morte. Os mexicanos são tudo isso e tudo ao contrário.
Mas não fique alarmado, já que desfrutará profundamente do trato com os mexicanos, porque são, sem contradição nenhuma, estremamente hospitaleiros. As condutas afetuosas são muito comuns e, descubrirá como dão-se aa mãos, cumprimentando-se, no encontro e na despedida. Aconselhamos-lhe a ser gentil, já que para os mexicanos a gentileza é sinônimo da educação. Procure pedir as coisas acompanhadas de um "por favor" e não esqueça de dar sempre graças. Aceite sempre um convite, embora não esteja afim, pois é melhor aceitar e não se apresentar, que rejeitá-lo. E, se marcou hora com alguém, pode esperar um bom tempo, pois o relógio dos mexicanos funcionam mais devagar que os outros relógios do mundo.
Também, aconselhamos não elogiar em excesso qualquer pertinência do seu interlocutor, porque poderia acabar dando-a de presente e você terá que aceitá-la.
No México o sentimento de pudor é muito forte, pelo que deverá comportar-se. Em muitos lugares, sobretudo nas zonas que não têm praia, não são bem vistos os calções curtos nos homens. Evite entrar com eles nos templos. O traje de banho é bem visto apenas nas praias, mas não fora delas.
Os mexicanos professam profundo sentimento religioso, por isto evite entrar em discusões profundas neste tema. Pelo contrário, é melhor interessar-se e, tentar decifrar as raizes desta experiência, que tem a base nos cultos anscestrais dos indígenas. Lembre-se que, no México habitam 56 etnias, entre as que encontram-se os Chinatecos, Huastecos, Huicholes, Tarahumaras, Lacandones, Chichimecas, Chinatecos, Nahuas, etc. Convidamos-o a descobrir este precioso mosaico de culturas, tradições e costumes, onde convivem numerosos universos que, inevitavelmente, acabarão por cativá-lo.